Um novo lar após sucessivos maus-tratos

Um novo lar após sucessivos maus-tratos .

Um novo lar após sucessivos maus-tratos .

Um novo lar após sucessivos maus-tratos, abandono ou morte do dono

Ricardo Tamborini contribuiu com essa matéria para  a Revista AT- A Tribuna

De acordo com Ricardo Tamborini que é adestrador e especialista em comportamento canino, o processo de reabilitação do animal que já sofreu muito, o mais importante são o empenho e a dedicação dos novos donos.

Cães que passaram por situações traumáticas, em sua maioria, apresentam medo e não permitem a aproximação de pessoas. Alguns donos por dó forçam a aproximação e acabam piorando o problema.
O ideal é deixar que o cão procure por atenção e por si mesmo se aproxime das pessoas. Em caso de cão feroz e agressivo a reabilitação é possível, mas o aconselhável é que os donos procurem o auxílio de um profissional especializado em comportamento canino.

Não forçar o cão a interagir é muito importante, pois é ele que deve ter a iniciativa de conhecer o novo ambiente e, aos poucos, se sentir mais seguro com as pessoas à sua volta.

Os cães são 100% dependentes e criam fortes vínculos afetivos, principalmente com as pessoas que lhes dão atenção e os alimentam. Animais criados como filhos, superprotegidos, que dormem com os donos,... ao perderem seu dono tendem a desenvolver o que chamamos de ansiedade de separação.

Ao ficarem sozinhos, podem demonstrar isso de duas formas distintas: apresentando sinais de ansiedade e irritabilidade, latindo incessantemente, arranhando a porta e destruindo objetos da casa, ou apresentando sintomas de depressão, não se alimentando e nem se hidratando. O processo de adaptação à nova família é lento e gradativo e precisa sempre respeitar os limites dele.

 

Fonte: Ricardo Tamborini - adestrador e especialista em comportamento canino
www.ricardotamborini.com.br

 

Veja a matéria direto no site da Revista A Tribuna

Clique aqui